quinta-feira, 29 de junho de 2017

Direita sem Messias: a vocação autodepurativa da República

Toda aparência de repouso é um movimento interrompido por outro, portanto quem imagina a paz como calma aspira uma ilusão.
A paz é um investimento para que possam ser prolongadas as vidas dos indivíduos.
Jamais a paz foi imobilismo ou ausência de conflitos, aliás, o imobilismo agrava os conflitos.
Dois movimentos primários que, quando reprimidos, promovem efeitos colaterais indesejados - eles são:
1- concorrência
2- divergência
Concorrências e divergências são movimentos necessários e benéficos porque o resultado final é a descoberta do melhor uso de recursos escassos.
Os caminhos são esses e seriam percorridos em menos tempo se não fossem os obstáculos da vaidade de quem goza da glória momentânea e evita abandoná-la ou, pior, ser abandondo por ela.
Num ambiente de rápida inovação o prestígio de contribuição será substituído por outras contribuições tão logo elas sejam apresentadas e adotadas pelo maior número de pessoas.
Não é difícil perceber que muita energia é desperdiçada para bloquear o surgimento e a propagação de soluções que destronem os herdeiros da glória e incapazes de reconquistá-la com novas contribuições notáveis.
A República dá vazão aos movimentos removendo os obstáculos da personalidade.
Parece pouco, mas é radical, o simples fim do mandato vitalício !
Também parece pouco, mas não menos radical, o simples fim da hereditariedade !
A distância da história dá uma aparência calma de simplicidade e de passos pequenos, porém encobre a insatisfação feroz dos que perderam os privilégios por herança.
Os benefícios da República não é propaganda de republicanos, todos são beneficiados por ela !
Os males percebidos na República são males que sempre existiram que ainda não foram mitigados devido à resistência dos destronados que atrasam a capacidade autodepurativa de um sistema de governo impessoal.
A monaquia resiste por um culto que a confunde com a família, o que dá a falsa impressão que qualquer crítica à monarquia é um ataque aos valores da família.
Um olhar mais atento revela o artifício dos monarquistas e todos os artifícios perderão sua força com a contribuição diversificada de gestores substituidos em pouco tempo num ambiente que promove o fluxo menos turbulento entre concorrentes e divergentes.
A República brasileira é uma instituição recente que necessita ser confirmada a cada eleição de 2 em 2 anos e o mandato vitalício e a hereditariedade devem ser rejeitadas por todos os eleitores que anseiam por um país próspero.

Por uma Direita sem Messias

Nenhum comentário: