quinta-feira, 11 de junho de 2015

Belém

Mãe, a senhora espalhou que eu nasci em Belém ?

Só disse a verdade

É e não é... nasci lá por acaso, por causa da porcaria
do recenseamento. Nosso lar é Nazaré

Mas nasceu ! Não me condene, foi para o seu bem

Não duvido, porém, fez mais mal do que bem

Só queria protegê-lo, meu filho
Os guardas vivem à caça de um nazareno

Agora, parecerá mentira
Pensarão ser um subterfúgio

A culpa é sua por esconder a sua origem

De que a senhora fala ?

Você é o prometido e omite sua real descendência

A casa de Davi ...esta história novamente !

Olha o respeito, ein

Eu não vim para dar testemunho de mim mesmo

Pois, eu dou...eu não sou você

Só os meus irmãos, quando eram crianças, acreditaram nisso
A senhora e José nunca acreditaram

Que absurdo !

Se acreditassem como dizem acreditar,
não fugiriam para o Egito quando nasci

Seu ingrato...

Mãe, não chora ! Me desculpa, me excedi...

Estou com medo ! Sinto uma espada transpassada em meu peito

Eu também, mãe...eu também

Nenhum comentário: