domingo, 19 de outubro de 2014

Fundamentalismo evangélico

 A sociedade brasileira descobriu um novo termo para desqualificar pessoas que contrariem suas expectativas: fundamentalista (e por ocasião da eleição presidencial em que Marina abala as estruturas, fundamentalista evangélico).
É preciso amar as pessoas e também as palavras. Porém, por desprezo às pessoas que não atendem aos nossos interesses não somos cuidadosos com as palavras. Apenas um alerta que faço: palavras repetidas sem responsabilidades empobrecem a nossa percepção dos fatos e causam a nossa própria ruína.
Um comportamento que desaprovamos deve ser denominado por palavras que expressem algo que realmente desaprovamos. Não há como desaprovar o fundamentamento de qualquer coisa, há ? Quando temos o objetivo de destruí-la sim ! Se desejamos destruir alguma coisa precisamos ponderar os motivos. Tolice é destruir qualquer coisa como algum "inocente útil" e muito mais tolice é destruir algo sem conhecer e que o aulixia.
A euforia eleitoral de 2014 nos revela um fato intuitivamente percebido: o Evangelho ainda é muito desconhecido, tanto no seu conteúdo quanro na sua forma.
Para prosseguirmos, tomemos o significado da palavra fundamento: alicerce !
Quais são os fundamentos do Evangelho ?
Pra prosseguirmos, tomemos o significado da palavra Evangelho: boa nova (news = notícia)
Qual é a boa notícia ? Jesus, o Messias, em carne e osso, mostrando as maravilhas do Reino dos Céus e nos ensinando como realizá-lo entre nós.
Alguns fundamentos na forma do Evangelho:
1 - Jesus não escreveu nada;
2 - Os Evangelhos são reportagens sobre a vida de Jesus, seus feitos e ensinamentos;
3 - Os evangelistas são repórteres e, como tanto, humanamente limitados (vaidade e idolatria);
4 - Os Evangelhos canonizados na Bíblia são quatro: Mateus, Marcos, Lucas e João (destes, apenas Mateus e João foram apóstolos);
5 - todos outros livros da Bíblia são comentários sobre o Evangelho (nenhum comentário ou comentarista pode ser maior que o Evangelho)
Alguns fundamentos no conteúdo do Evangelho:
1 - Deus é Amor;
2 - A Idolatria e a Vaidade nos confundem e nos impedem de compreender o Amor;
3 - Orar e vigiar nos colocam em intimidade com Deus;
4 - nossa intimidade com Deus nos torna mais sábios e generosos;
5 - Amor não tolera injustiça e hipocrisia.
6 - Espírito Santo é o nosso consolador.
Amor é diferente de expressões de amor, portanto religião é diferente de cultura.
O conflito que existe e é revelado nestas eleições é o medo de alguns protegidos no Palácio do Planalto serem substituídos por segmentos diferentes da sociedade que exibam comportamentos diferentes, ou mais sinceramente, de que o meio social que lhes garantiu os cargos que ocupam não lhes proporcione mais a mesma garantia.
Neste aspecto, nada disso tem a ver com fundamentalismo evangélico ou de outra fé, mas com a falta de senso republicano. Algo muito mais em desacordo com a nossa Constituição Federal do que alguma religião.
Amor é fundamental

Nenhum comentário: