segunda-feira, 11 de março de 2013

Pecados, erros, inconveniências e transgressões

É certo que todos nós erramos!

Porém, erramos aos olhos de quem?

Seria o erro alguma coisa relativa? O que é errado para mim pode não ser errado para você?

Acredito que o erro é erro e o que se relativiza é a conveniência. Distinguir as duas coisas nos permite transgredir e evitar o pecado.

O que estas coisas possuem em comum é que todas nos fazem ranger os dentes antes, durante e depois. A diferença entre o sagrado e o fútil é a salvação e a sabedoria de Deus é loucura para os homens.

Existem as normas que procuram estabelecer a harmonia no convício entre as pessoas. Elas podem ser escritas ou não e nos economiza tempo por meio de certa compatibilidade. Os valores comuns preservam uma coerência entre planos, ações e expectativas e a surpresa fica por conta dos resultados. A beleza da obra de Deus é continuar infinita e incompleta pelas surpresas.

As surpresas acontecem porque só conseguimos manter o controle de alguns fatores e muitos outros fatores surgem sem que percebamos. Esses novos fatores são o sopro de Deus!

Existem erros convenientes. A escravidão era um erro que atendia às conveniências do faraó. Moisés transgrediu e libertou o povo. Mercadores à porta do templo era um erro que atendia à conveniência dos sacerdotes. Jesus transgrediu e libertou o povo com a própria imolação para que não precisasse mais haver sacrifícios de animais. Podemos dizer que Jesus iniciou o movimento pet.

Num mar de erros que sustentam as conveniências a transgressão é necessária para mostrar as coisas certas.

Outros exemplos famosos: trabalhadores em condições deploráveis na produção de tecidos era um erro que São Francisco de Assis denunciou com a sua própria nudez. A humilhação de Galileu ao negar uma certeza de sua observação de que o Sol é centro de nosso sistema planetário e não a Terra como afirmavam os doutores da Igreja, pretensos porta-vozes de Deus e guardiões da verdade.

O erro é o que se faz sabendo que é errado e mesmo assim permanecemos nele para tirarmos proveito. Muitos são levados a isso por falta de amor ao próximo.

As pessoas pensam que amor ao próximo é tratar a todos com gentileza e palavras delicadas, mas não é. Amar ao próximo é evitar o erro mesmo que ele seja conveniente. Isso nos tira do conforto e exige sacrifícios.

O pecado é manter o coração endurecido diante de tantas mazelas que resultam de nossos erros.

Converse com Deus em oração e evite os conselhos dos sacerdotes. Os sacerdotes são funcionários da conveniência.

Ler a Bíblia é uma grande transgressão!



Hy Ho!

Nenhum comentário: