quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

O Reino, o Poder e a Glória para sempre

Jejuei um pouco do blog para acompanhar o carnaval, a maior manifestação popular do Brasil em termos de concentração de pessoas. Amo o Brasil e tenho muita gratidão e carinho por este chão, creio que nunca é demais repetir isso.

Também me dediquei em refletir sobre o método de alfabetização 'o ovo da pata'. Estou gostando muito da experiência com o alfabeto cirílico. Aos interessados basta procurar no facebook: o ovo da pata.

Neste jejum aconteceu de o papa renunciar. Em pleno carnaval! Esperei como seria a reação da imprensa e li algumas postagens de colunistas e blogueiros, todos querendo identificar as razões da renúncia, impacto e desdobramentos. Alguns destilando o veneno com revanchismos. Quanto ao revanchismo: é fácil mixar na cara da onça depois que ela está morta. Quanto às elocubrações: são elocubrações, algumas com mais ou menos inventividade e imaginção.

A pessoa pode ou não ser católica, mas ninguém pode negar a grande contribuição do catolicismo (sem esquecer o erros, é claro) ofereceu ao ocidente e consequentemente ao mundo. A Igreja Católica se dedicou na consolidação da identidade e coesão da Europa, e o mais importante: evangelizou. Se hoje há dissidências e uma pulverização de expressões cristãs, muito é mérito da Igreja Católica e coragem de quem ousou discordar. Queiramos ou não o mundo se divide entre os favoráveis ao dogma do Vaticano e quem se opõe a ele.

Por isso, é medíocre fingir que a renúncia do papa não possui grande significado, mas tentar saber os motivos acredito que seja uma perda de tempo. Que bom, que ruim que o papa renunciou! Sempre haverá quem  condene ou defenda o seu cajado. É possível considerar a renúncia como um gesto de humildade? Novamente o veredicto será uma acomodação de interesses. Talvez nunca teremos elementos suficientes para compreendermos esta atitude. O mais interessante é a sucessão, um momento recheado mais de orgulhos patrióticos que de fé. Quem será o novo papa? Será italiano, brasileiro? Terá ele o direito de também renunciar?

Devemos lembrar que o papado é uma expressão de grande poder não só espiritual como também político. O Vaticano é um estado com influências em quase todos os países. Territorialmente é um bairro da cidade de Roma, mas dirige paróquias em incontáveis lugares. Na prática se conta sim, a contabilidade do Vaticano é muito precisa.

Problemas de saúde? Pode ser, a idade avançada dele nos permite aceitar tal possibilidade! Em todo caso, é uma ótima justificativa! Mas se não for a saúde o fator predominante?

Procuramos explicações e precisamos corresponder as expectativas de quem as procura! Que chato isso!

Pode ser que o papa esteja justamente cansado de dar satisfações para todo mundo daquilo que ele quisesse fazer.

O Poder é alvo de assédio. A Glória é alvo de assédio. Tudo com o propósito de fatiar o Reino. Para que o Reino não seja dividido é que se atribui  Poder e Glória a quem esteja disponível para a grande e penosa missão.

Tenham certeza do quanto isso cansa!

O novo papa não fará grande diferença num pântano de fisiologismo, como aliás, nenhum outro fez. Um mundo melhor está na atitude de cada seguidor de Jesus. O papa precisou de, mais do que outra coisa, de coragem. Se compreendermos a humildade como o reconhecimento dos próprios limites, ele foi humilde e para isso ousou decepcionar muitos fieis.

O melhor que podemos fazer é acolhe-lo como irmão e tentar não julgá-lo!



Hy Ho!


2 comentários:

Anônimo disse...

Caro Dario, acompanhei seu trabalho na Câmara e sempre tive uma simpatia grande com relação a sua maneira de ver a política e o PT.
Mas, com relação a Igreja, peço que você estude mais a vida dos santos católicos, com a mesma seriedade que estudou a política.
Sei que na história da Igreja houveram muitos clérigos pecadores, mas previro estudar essa história não me espelhando neles, e sim, nos santos, os homens e mulheres que verdadeiramente viveram, ou procuraram viver, aquilo que estavam pregando.
A base da doutrina Católica é muito rica, mas precisamos estudá-la para compreendê-la. Estudar todos, desde Jesus, até seus apóstolos e posteriores santos. Como esses homens pagaram com a vida tudo aquilo que ensinavem. E, quase sempre, mortos injustamente.
Paz do Senhor.

BURRO disse...

que ótimo!

a opinião de um anônimo não me interessa e muito menos adulações!

não pretendo ser um doutor da história da igreja, o que eu quero é ler o evangelho!

do pouco que eu sei, os santos doaram suas próprias vidas a Jesus e não para se submeter à igreja, isto é claro, desconsiderando as canonizações por encomenda. a igreja canoniza santos como os vereadores dão nomes de rua.