sábado, 2 de fevereiro de 2013

Deus é amor

Quantas vezes ouvi dizer que Deus é amor!

O significado de amor é tão difuso que se alguém duvida da existência de Deus acaba preferindo que Deus não exista. A nossa miséria é não aceitarmos a existência de algo, por mais maravilhoso que seja, se não conseguirmos defini-lo. Não seria suficiente que Deus fosse Deus? O Criador (a título de conforto)?

Imagino que o pior caminho para quem busca a comunhão com Deus seja defini-Lo como amor. Somos resultados das nossas narrativas e sempre nos envenenamos quando falamos de amor o confundindo com posse e outros sentimentos mesquinhos. Tudo bem, alguém pode considerar que eu estou falando deste jeito porque não conheço o verdadeiro amor. Que coisa! Se conhecer o verdadeiro amor for condição para que eu compreenda a magnitude de Deus só reforçará a minha sensação de abandono. Quais são as chances de eu conhecer o amor se não conhecer Deus primeiro?

Deus nos criou porque ele nos ama, Jesus foi sacrificado porque Deus nos ama! Eu me contento em considerar que só Deus seja capaz de amar e só Ele seja capaz de nos ensinar um fiapo dessa capacidade e, consequentemente, Deus é o próprio amor.

Na busca de definições poderemos cair em contínuas armadilhas! Se Deus criou porque nos ama logo amor é criar. Se Jesus foi sacrificado por nos amar logo amor é sacrifício. Por isso, considerar Deus Deus reduz todos os nossos impulsos equivocados. Claro, sem Deus não existiria nenhum gesto de amor tão somente porque nós também não existiríamos.

Deus é absoluto e as nossas ideias de amor são muito particulares, correspondendo às experiências boas ou ruins de cada pessoa, no entanto, o íntimo de cada pessoa é a maior confirmação da presença de Deus. No íntimo Deus sussurra! Quer a pessoa creia ou não. Quer a pessoa blasfeme ou não. A misericórdia de Deus é tão grande que isso não O incomoda. Deus nada perde se alguém crer Nele ou não. A pessoa perde já por não saber o que está perdendo.

Imagino que a fórmula Deus é amor é um passo para sairmos da ideia de Deus é o Senhor. As nossas narrativas sobre senhores também não são as melhores referências. Ah, um Senhor bondoso! O adjetivo oderá distingui-Lo. Que desespero! Na incapacidade de definir com os substantivos recorrer aos adjetivos! Mas porque esta relação de Deus ser o Senhor? Talvez fosse a única maneira de um crente expressar carinho, apreço e gratidão.

Poderemos amadurecer aceitando Deus como Deus, sem mais explicações. Isso não diminui a nossa gratidão e devoção. Não precisamos nos ajoelhar diante de um Senhor para demonstrar respeito e consciência de sua existência, é suficiente ser humilde! Humildade dentro do coração!

Deus nos quer livres porque Deus já nos ama de modo inesgotável.

Deus oferece sempre comunhão! Por isso poderíamos dizer que Deus é comunhão. Mas voltaríamos às nossas lembranças de comunhão fracassadas e seria um prato cheio para alguém continuar dizendo : você fala isso porque você não vivenciou a verdadeira comunhão.

Tentar definir Deus é escravidão, não a Deus, pior, a qualquer pessoa que ouse afirmar conhecer a verdade mais que você.



Hy Ho!

Nenhum comentário: