domingo, 16 de dezembro de 2012

Arcádia de Carmem

por Ary do Embu



dedicatórias


A Cassiano Ricardo e a Monteiro Lobato, minhas duas portas da percepção.


introdução


pelas mãos do tempo
o literal tornou-se
metáfora





canto contínuo

a vida
convida
com vida

fútil

útil

sutil

não são
as aulas de piano,
o vestido,
as joias,
o bem falar
nem o discreto bocejar
que fazem
uma princesa
mas sim
o beijo


para um sapo
nada é mais
extraordinário
que ser beijado



musa

grandes poetas
possuem musas
poetas à margem
como eu
apenas musas
exu-madas
porém si
a musa
exumada
musa
quiser que
eu suma
eu sumo
sacerdote
cortejo
a musa


a primeira
impressão
é a que
mortifica



arcádia de carmem

úberes belos de carmem
unhas, bocas, cintas-liga
últimas bandeiras de conquista
uma bala na carne

o desejo une
a intolerância pune
a aflição zune
permanece o que é
feito da arte

bugre, bugiganga, buffet
bateia, barriga, batel
brocardo, boi, brio, buquê

um brinde pro cê

cicuta, cicio, cimitarra
cioso, cio, cinzel
cigarro, cicatriz, cigarra
chistes, choças, chitas: carmem

tantos imbecis
e para sempre vamos ser

um brinde pro ser

úlcera, ultraje, uivo
uiara, ultra-leve, ufanismo
uai, urbe, ubá
ubiquidade
umbilical, usina, urânio
urinol
urrar

no princípio
era o amém
e o amém
se fez carmem

carmem é um abismo de rosas
que tinta de vermelho
toda terra
seus olhos são sois
omnia temperant
gerei-a em minha coxa
saltou ela já adulta
de minha cabeça
tremulando guizos
batendo cascos
ainda guardo as asas
do cisne que fui
para comer carmem
ars amatória
me abrace
me abrase
carmem

olhos boquiabertos

la mujer
não é a roupa
que veste
ou despe

a maja
desnuda-se
no jeito
de olhar
cruzar pernas

sesta


lá lá
ré ré
sol sol
mi mi


neto de viscondes
filho da marquesa
traz de seus pais traços muito fortes:
trabalhador incansável,
com o machado em punho,
abriu picadas à cata de
novas ervas
o caminho lhe deu por acréscimo
animais, tribos, paisagens e lendas
da mãe: o dom de queimar navios
e contagiar pessoas
curioso, aproximou-se dos carijós
estes, afeiçoados, lhe deram um pingente;
carregado por ele sempre
junto ao crucifixo, na mesma corrente.
os sertões guardam suas mais terríveis
lembranças de guerra
eça experiência lhe proporcionou
compreender além das mágoas
tudo que nos cerca
virgílio de dante
cassiano de ary


o banho de rio do menino cassiano

aula de latim
metamorfoses

ninfas habitam o rio
o prazer de nadar também
bedel cochilo
fim de recreio?
tarde dos asnos de apuleio

mergulho enrosco
muita água
intrépidos amigos são bombeiros

vir à tona

fato façanha devaneio

uiara
cabelos verdes
olhos amarelos
a espiei entre os caniços
fauno fez-me o desejo
um caniço feriu-me o peito

peitos!

vocês nunca viram

a prendi flauta
fiz-me
seresteiro



cecília
aliciava
alice
alice
deliciava
cecília
ciciavam a si
mar
aves
ilhas


haverá alguém
senhor de si?


carmem
meu cafezal
em flor
de acácia


quero te ouvir
com os poros
irei bus
car
a penumbra
ombro ombro
covil úmida
te sondar
inté achar
a flauta
que me roubaram


ancas 
cãs
ancas

ancas
cãs
cãs

inclina
crina
taturana
corre com os lobos
tchocolath
nakama

crina
ancas
ancas
cãs


Nenhum comentário: