sábado, 5 de maio de 2012

Falta imaginação ou O Pequeno Príncipe para Políticos X

O pequeno príncipe atravessou o deserto e encontrou apenas uma flor. Uma flor de três pétalas, uma florzinha insignificante...

Como saber se o político está fazendo a coisa certa? 

Porém, é possível afirmar o quanto é inevitável sermos contagiados pela aridez !

Nenhuma florzinha de três pétalas pode ser considerada insignificante, ainda mais se estiver num deserto!

Toda vida num deserto é digna de nota, é extraordinária, porém o político é pressionado a buscar os homens, isto é, o aplauso, ou melhor, a aclamação (isso... ã hã... eufemismos para votos!).

É difícil dissimular se o objetivo é a permanência eterna no poder e manutenção do fisiologismo.Neste caso,  a reeleição passa a ser a profissão de fé dos políticos e, como isso é condenável aos olhos pudicos, gasta-se toda a energia disponível na futilidade de disfarçar intenções inconfessáveis.

Tal ciranda esgota qualquer um!

Por isso, é importante perceber e vibrar com o fiapo de vida entre as areias. Algo que nos desperte o sentimento de pertencimento à nossa cidade e à nossa gente.

O eleitor, por sua vez, perde-se em perguntas filosóficas do tipo "quem és tu?" ou manifesta a angústia "estou só" ou implora por aliados "sejam meus amigos".


O político, por outro lado, para ser produtivo, deve se afastar destas pessoas frageisinhas, que correm atrás do próprio rabo.


E não adianta, escalar uma montanha não fará com que as pessoas perceba o político e seus propósitos altruístas e magnânimos.


Muitos falarão bem do político para agradá-lo e muitos falarão mal do político para agradar outros políticos e os mais fisiológicos falarão o que melhor entenderem de acordo com as conveniências.


Quem quiser um retrato fiel de sua própria atuação precisará desenvolver a imaginação.




Hy Ho!





Um comentário:

Anônimo disse...

Minha opinião sobre tu... játens...
mas não perca nunca o caipira apaixonante, o mão dura, meio de ferro, e jamais perca a poesia.