segunda-feira, 12 de março de 2012

O Pequeno Príncipe para Políticos

Quero compartilhar com vocês as minhas impressões sobre a obra O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry e a sua aplicação para reflexões políticas.

Apresentarei trechos de maneira não-linear e a primeira coisa que quero mostrar são os


Baobás


Todo político é um pequeno planeta ou asteroide (como queiram) e sobre seu solo dormem sementes de ervas boas e ervas más e o baobá é uma destas ervas más para um pequeno asteroide.

Veja que o mal aqui é uma questão de inadequação: o baobá é grande demais e se eles não forem tirados "a partir do momento em que seus brotos se diferenciam dos brotos de rosas o pequeno asteroide racha". E racha mesmo!

Projetos pretensiosos ou de grande envergadura, exacerbação da autoimagem e, principalmente, as intrigas podem ser considerados baobás.

Pessoas vivem aspergindo estas "sementes terríveis" nos políticos e se cada político não fizer "a toalete"... adeus projetos. Tudo vai para as cucuias!

"É uma questão de disciplina" --- alerta o Pequeno Príncipe --- porque "as sementes são invisíveis" e " quando despertam, se espreguiçam e lançam timidamente um inofensivo galhinho" e o "solo está infestado".

Resignado ainda ensina: "é um trabalho sem graça, mas de fácil execução."

Talvez aí resida a falha de todos! A maioria das pessoas desprezam trabalhos comuns e se dedicam a elocubrações ou projetos mirabolantes.

Com isso perde-se tempo e vai-se a Agenda e mais uma vez soluções vão sendo adiadas.


O Pequeno Príncipe, muito generoso, solicita para que o narrador desenhe a "catástrofe" que seria um asteroide tomado por baobás "para que as crianças adquiram consciência desse perigo" pois "ás vezes não há incoveniente em protelar um trabalho. Mas quando se trata de baobás..."

"Tomado pela iminência do perigo", o narrador atendeu prontamente porque sabia " que transmitiria uma mensagem de suma importância"

Voilá,

"Crianças! Cuidado com os baobás!"

Comecei a série com este episódio por considerá-lo primordial!

Aos amigos políticos,

boas reflexões!




Hy Ho!

Nenhum comentário: