quinta-feira, 15 de março de 2012

Autoridade não é Poder ou O Pequeno Príncipe para Políticos III

"--- Majestade... sobre quem é que reinais?"

Cada um no seu próprio planeta...

e o primeiro planeta visitado foi o do Rei, sem acomodações para audiências e todo coberto pelo manto de arminho.

"--- Sobre tudo - respondeu o rei, com grande simplicidade."

Pois é, sentado num trono e majestosamente vestido, o político precisa lidar com a expectativa de quem não pode esperar que as "condições sejam favoráveis" e, aflitas com os problemas urgentes, se aborrecem ou bocejam com a razoabilidade das explicações.

Aliás, um general não vira gaivota porque o Rei ordena e para o Rei ser obedecido, antes de tudo, "é preciso exigir de cada um o que cada um pode dar".

Nem sempre o político tem parceiros para realizar os projetos acalentados porque a adesão resulta mais daquilo que o político pode oferecer do que exigir e a condição para ser obedecido é nomear alguém ministro, embaixador ou qualquer sinecura.

"---Não partas; eu te faço ministro da ... da justiça!"

Conclui-se deste encontro o quanto é inútil julgar os outros e que a sabedoria consiste em julgar-se a si mesmo.

Com a escassez de talentos, todos que erram precisam ser perdoados para que o projeto tenha êxito. Tal é a fragilidade do político, cercado por pessoas chantagistas, isto é, por ratos percebidos toda noite e isentas de correção porque só eles estão disponíveis.

Muitas coisas funcionariam se os funcionários obedecessem voluntariamente, mas sem esta contrapartida as autoridades apelam para a coação ou opressão.

Ninguém tem o poder de se fazer obedecido, exceto raros líderes dotados de imenso carisma, no mais, o que observamos comumente é o abuso de poder.

O único poder verdadeiro é obedecer e por isso resignar-se é uma atitude libertadora e corajosa, porém muitos confundem resignação com submissão.

Reconhecer as "condições favoráveis" e encontrá-las serenamente é saborear cada pôr-do-sol, fenômeno previsível e totalmente fora do nosso controle.

E como veremos mais adiante: reinar é diferente de possuir!



Hy Ho!

Nenhum comentário: