sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Aprendendo Xadrez: Torre

---Terra à vista!

---Tempestade a estibordo!

Alarmes possíveis de um ponto de vista privilegiado e essenciais para a defesa do grupo.

Aliás, a palavra alarme tem a sua origem numa expressão militar em italiano "alle arme", isto é, às armas!

Seja na gávea de um navio ou, num contexto mais rudimentar, no topo de uma árvore cumpre a Torre a sua função estratégica: a de vigiar.

Com a fixação dos povoados a Torre torna-se o componente característico de uma fortaleza e guardiã de tesouros, tais como alimentos, dinheiro, documentos, prisioneiros e o próprio território.

Então, a Torre é, ao mesmo tempo:

1) celeiro para proteger as provisões;

2) cofre para proteger armas e soldos;

3) arquivo para sediar toda a burocracia do reino (vide a Torre do Tombo em Lisboa);

4) cárcere para guardar capturados e representar, de modo concreto, a própria disciplina e rigor do comando.

E, por último, expressar territórios conquistados ou o próprio reino, dada a dinâmica do jogo.


Fronteiras


Cada jogador possui duas Torres e a disposição inicial delas confirma a função estratégica, sendo que cada uma fica nos extremos do tabuleiro.


Movimento

A Torre anda em linha reta tanto na horizontal quanto na vertical quantas casas livres o jogador desejar.

Tradução

A Torre anda pro um lado ou pra outro ou pra cima e pra baixo.



Hy Ho!

Nenhum comentário: