domingo, 28 de agosto de 2011

Dona Geuda

Porta-estandarte
de um Bloco singelo
Espírito livre e altivo
Do Morro de Madureira

Pairou como águia
sobre a cidade-bebê do Planalto
Abraçou tanto a terra como o asfalto
E voltou com dois poemas

Em Jacareí os revisou
lhes acrescentando novas palavras
Apagou desaforos sem abusar da borracha
Se redimiu dos excessos de zelo
ao não permitir que birras de criança
se transformassem em mágoas

Última estrela da trupe alemã,
cantou com voz doce
os conselhos da mãe trapezista:
" Fiquem atentos aos pequenos gestos
porque não há neste mundo
um trapézio mais exigente do que a vida"

Num momento a luz se apaga
A plateia se esvazia
O circo pega a estrada
Mas nos deixa uma pequena relíquia

Um cartaz colorido
com o nome dos artistas:
Werther, Walter,
Ilka e

Geuda.



Hy Ho!

Um comentário:

Luciana Vieira disse...

Ia lhe pedir que me mandasse por e-mail, resolvi procurar e achei...
obrigada pela homenagem, ela deve ter ficado muito feliz, pois te curtia demais...
Apesar de não fazer as dedicatórias em seus livros...rsrsrs
Saúde, sorte e vida pra vc...
E de novo obrigada pelas alegrias dadas a mamãe.