quarta-feira, 6 de abril de 2011

Lista Fechada: Golpe à vista!

Cheira muito mal esta história de Lista Fechada nas eleições proporcionais para o Legislativo.

É uma manobra do Cartel para escolher, de antemão e sem surpresas, os membros das Câmaras Municipais, Assembléias Estaduais e Congresso.

A Lista Fechada impede as renovações e mina a energia dos candidatos, que para serem pré-selecionados pelo "Dono do Partido", viverão mais imersos na burocracia partidária do que cuidando dos assuntos públicos e de interesse da população.

A Reforma Política é nada mais nada menos do que uma distração e a pauta pouco ajudará moralizar o comportamento dos políticos.

Querem desviar a nossa atenção dos que realmente prejudicam a solução dos conflitos da sociedade: os incógnitos (por isso mais nocivos agentes do jogo político) donos de partidos, que tramam entre si com a oferta de "chapas podres" a composição do Legislativo.

"Chapa Podre" é aquela construída para eleger os "queridinhos do dono do partido", porém sujeita a surpresas, dado ao faro e astúcia do eleitor, que ainda pode escolher uma zebra. Em muitos casos vale a parasitagem! Foi o que o Kassab fez ao eleger os Deputados Federais pelo Democratas de São Paulo.

Os candidatos eram filiados ao projeto pessoal do dono do partido e não do programa e ideias partidários. Após a eleição vieram o rosário de chantagens e a fantasia de cordeiro do oportunista!

O eleitor de hoje está mais atento sobre quem é quem e qual é o mal, com tanta informação disponível, de votar nas pessoas?

Agora que o próprio eleitor corre por notícias sobre Política?

Deixaremos tudo à mercê dos donos de Partidos?

Dirigentes sem compromisso com os programas partidários?

Se houvesse algum interesse de fortalecer as insituiçõees partidárias os partidos seriam consolidados com promtores da Cidadania e nenhum seria "legenda de aluguel".

A Lista Fechada cheira mal, principalmente, porque é uma ideia defendida pelo PT, legenda de ares totalitários, com intenção de instituir um Congresso Unicameral, isto é, sem o Senado e que não esconde de ninguém o propósito efetivar um Politburô.

Com o Legislativo antecipamente escolhido começarão as mais desejadas reformas para se efetivar um regime totalitário.

O povo é o sapo sendo cozido lentamente que quando perceber a fervura da água não terá força de pular fora da panela.

Passo a passo eles avançam com a tal "moralização política" e redução de custo de campanha. Gente sem moral pode querer moralizar alguma coisa? Pode-se baratear as campanhas,mas jamais baratearão os mandatos enquanto a "governabilidade" se estabelecer com mensalões. Papo furado!

Um Partido forte se faz com pessoas fortes e não com Burocracia.



Hy Ho!