sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Juntando os cacos

8° Semana Método BURRO



2° Fase Amarela


Acima da metade e se aproximando do fim da campanha eleitoral é o momento de sentir a validade de nossas candidaturas.

Devido a vários aborrecimentos muitos não se lembram mais porque se candidataram e quem lembrar terá serenidade suficiente para suportar os próximos aborrecimentos.

Os ajustes de percurso são mais sutis e potencializados nesta altura da eleição porque estamos muito expostos para os eleitores e também para os adversários.

O candidato majoritário quererá colar a agenda dele com a nossa porque faz parte essencial da estratégia andar abraçado com os mais populares. E nós seremos convidados para falarmos em comícios e “intimados” a estarmos presentes nas inaugurações de comitês.

Andar com o majoritário pode ser bom ou ruim, depende do histórico dele. Mas de qualquer forma é uma ótima blindagem porque os nossos adversários mais ferozes são os nossos colegas de Partido, que podem perder a cadeira por um voto apenas.


Por não estarmos do lado de Fulano

A maior motivação do voto é a rejeição por este ou por aquele e nós ganharemos ou perderemos votos em função disto. Estou chovendo no molhado? Sei que sim, mas tem gente que se esquece deste detalhe.

É bom sabermos, se possível, o histórico de rejeição dos majoritários adversários. Bairros, segmentos sociais, religião (ponto que conta muito, apesar de o Poder Público ser laico), esporte entre outros.

Por estarmos do lado de Beltrano

Mesmo que o nosso majoritário seja, infelizmente, “Ficha Encardida”, além da própria mãe, há quem goste dele. Ninguém constrói uma carreira política sem popularidade e, por incrível que pareça, as pessoas esquecem disto também e perdem tempo tentando arruinar a imagem da grande persona. Não adianta, as pessoas gostam dele justamente por causa da cara de Zeca Pagodinho que ele tem e ficam felizes com a possibilidade de elegê-lo. E é por isso que a Democracia é fascinante e desafiadora.

Apesar de estarmos do lado de Cicrano


Há muitos motivos para perdermos votos, principalmente dos eleitores mais esclarecidos, porque eles calculam nossa soma de votos e deduzem que ao votarem em nós não nos elegeriam e que seríamos apenas uma escada para reconduzir um candidato com um péssimo histórico ao Legislativo.

Quem vota em nós, apesar de tudo, são os nossos eleitores fiéis. Por mais desanimados que fiquemos e com dificuldade de acreditar, existem sim pessoas que apostam no processo eleitoral como consolidação da Democracia e que sejam afinadas com as nossas idéias e comportamento, que colaborarão com o nosso mandato com boas sugestões e não exigirão favores como moeda de troca.

Novamente vale um ditado: Não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem!

O mais triste é que não teremos contato com a maioria delas ao longo dos quatro anos!






Inté o nosso próximo dedinho de prosa !
Hy Ho !

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O Groove




7° semana Método Burro

1° fase Amarela


É o meio da campanha e começa o desespero dos candidatos.
Os eufóricos já se cansaram e, sem fôlego, deixam espaço para o time reserva.

È hora de quem estiver na periferia da campanha transitar em espiral até o epicentro.

É o momento em que os eleitores prestarão atenção nos 50 candidatos mais cotados e quase sempre se lembrarão dos candidatos de outros carnavais.

Por isso, procure se destacar entre os candidatos de seu grupo. Porque os eleitores, primeiramente, dividirão os candidatos em blocos partidários.

As pessoas começam aceitar os folhetos porque o Espírito Cívico cobra os seus tributos.
As orelhas do povo, au passant, se levantam à procura pelo menos pior.

Afinal, já que alguém ocupará os cargos, independente da nossa vontade, alguns escolhem não errar pela omissão.

Os recursos determinam a ação

As promessas dos coordenadores de campanha não se cumpriram, o que fazer?

Os amigos que se dispuseram colaborar sumiram, e daí?

E daí, agora são só vocês !

No gogó

Sem carro de som, use a voz. Como a voz é frágil reduza a mensagem.

Nome e número

O que os eleitores querem saber sobre os candidatos? Nada!

Para eles todos são iguais, então ofereçam a eles o essencial: nome e número !

Confiem nos multiplicadores. Muitos falam a nosso respeito (verdades ou mentiras), mas há quem gosta de ouvir uma história “extra-oficial”. Nestes casos o espontâneo supera todo e qualquer planejamento.

A fofoca e o boato são mais eficientes que todos os nossos esforços de comunicação. Com a Internet então, até as fofoqueiras se revestem de “imprensa séria” e todos se transformam em personagens de ficção.

Baquetas e membranas


Muitos me viram bater duas garrafas pets, mas eram mais do que isso !

Para tocar tambor precisamos das baquetas e da membrana, isto é, o próprio tambor.
É volumoso e pouco prático para quem necessita circular com agilidade pelo centro da cidade com calçadas entupidas de gente.

As duas Pets cumpriram muito bem esta função com custo zero e praticidade porque o refrigerante também foi muito útil.

Verme de ouvido


Os alemães usam a expressão ‘verme de ouvido’ para as melodias que grudam na cabeça.
Precisamos apenas disso! Basta compormos uma bem suscinta com o nosso nome e o número, com ênfase na legenda.

Tim Maia

O meu jingle foi um insight depois de ter visto um show em homenagem ao Tim Maia.
As curtas batidas (a la Funk Rio “antigo”) e a mensagem direta combinaram com o estilo do Síndico.








Inté o nosso próximo dedinho de prosa !






Hy Ho !

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Rosa dos Ventos





Método BURRO 6° semana




4° Fase Laranja



Todo eleitor possui um eu profundo e outros eus !

Para mim funcionou identificar 6 ambientes em que eles se manifestam.

Os deterministas apontam o quanto o ambiente influencia as pessoas.

Os possibilistas afirmam o quanto o ambiente pode ser alterado pelas pessoas.

E por falar em pessoas, o Fernando deu a dica que todo mundo é esquizofrênico mesmo !

Eu, pessoa e candidato, observei que no meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho... meu limão, meu limoeiro, meu pé de jacarandá... laranja madura na beira da estrada ou tá bichada, Zé ou tem marimbondo no pé !

Variam as pessoas e os lugares, mas permanece o mesmo perfil: o STRESS.

Residência: onde queremos dormir e ver de tudo na TV (exceto propaganda política). Nem tanto pelos programas, mas pela fuga e tentar relaxar. É onde fechamos os olhos e dizemos “Amanhã é outro dia”.

Trabalho: onde queremos ser úteis para adquirir coisas fúteis para fugir das coisas inúteis.
De olhos fechados suspiramos “Amanhã sai o pagamento”.

Escola: onde somos punidos pelo fracasso dos nossos pais. Onde sabemos que é difícil fugir por ser cheia de grades. Com os olhos no relógio “Amanhã meu pai ganha na loteria”.

Bar: onde bebemos, muitas vezes sem querer, para fugir das visitas indesejadas. Onde sem peso na consciência dizemos “Amanhã eu pago”.

Igreja: Onde temerosos pensamos “Amanhã será o dia?”

Clube: “Amanhã eu fecho a venda”, “Amanhã eu saio com a amiga dela”, “Amanhã não posso”, “Amanhã eu quebro a cara dele”

Embora estejamos em vários lugares só ocupamos um: o amanhã.

Ofereçam o extraordinário para as pessoas e o destaque será de vocês. E o extraordinário é o hoje !

Passem em todos os lugares, não como o coelho atrasado da Alice, mas como quem carrega as ferramentas para uma oficina e todos esperarão ansiosos pelo amanhã para ver o resultado de seus trabalhos.

O lado prático: cada pessoa, mesmo as mais tímidas, permanece por um bom tempo em 6 lugares diferentes e se encontra com tantas outras. Isto significa que as suas mensagens percorrerão a cidade toda.

O eleitor se interessará quando perceber a variedade (não quantidade) de pessoas que pondera sobre o nome de vocês.




Inté o nosso próximo dedinho de prosa !


Hy Ho !

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Ruídos






Método BURRO 5° semana

3° fase Laranja


Durante a eleição todos os candidatos estão em campo e abordam as pessoas de muitas maneiras, em sua maioria agressivamente.

É um pelo-amor-deDeus-vote-em-mim que ninguém agüenta !

Falamos sobre o destaque de sermos sutis ! Vejamos, de uma homeopatia eleitoral !

Depois de 4 semanas é bom avaliarmos o que funcionou e o que não.

O objetivo agora é entrar no pelotão de elite da São Silvestre, mas administrar o fôlego para subida da Brigadeiro.

Existe a rejeição aos políticos e vocês estão no balaio e existe o fisiologismo/clientelismo dos candidatos antigos e vocês estão fora. É uma desvantagem que não pode nos intimidar. Pela simples razão de que (esta é a minha convicção) devemos erradicar o fisiologismo/clientelismo para que o serviço público possa funcionar a contento da população.

Claro que esta é uma distinção, mas vocês perderão votos por não oferecerem estas vantagens, e também, muitas pessoas não acreditarão na boa-fé de vocês.

Nos resta apenas a eficiência em nossa comunicação e eliminar ruídos é um passo extremamente importante.

Problemas e Soluções

Em Jacareí, eu andava com a minha cabeça de BURRO e as crianças muitas vezes me chamaram de coelhinho.
Primeiro problema: é que havia um candidato chamado Neir Coelho.

Solução: zurrar com mais freqüência porque os adultos logo corrigiam as crianças “Não é coelho, é burro”.

Segundo problema: também havia um concorrente com o apelido de Cavalo, candidato pelo PT.

Solução: zurrar e marcar bem a cor azul do Democratas, sempre vestindo a camiseta do partido.

Terceiro problema: a centena 300 era usada por outros 3 candidatos.

Solução: marcar bem a legenda 25. O groove foi elaborado com esta preocupação, a de valorizar o número 25.

Como vimos, valorizar o Partido é sempre a melhor estratégia.

Inté o nosso próximo dedinho de prosa !

Hy Ho !

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Você não é o melhor, é apenas um dos inscritos







Método BURRO 4° Semana




2° fase laranja



Já falamos de rejeição e o grande motivo da revolta do povo é por ser traído quase sempre.

Nada do que você disser lhe ajudará. O povo há muito se cansou de lorotas.

Por mais que você seja uma pessoa séria será apedrejado pela mágoa dos insatisfeitos ou indiferentes. A desconfiança é de todos.

Abra os ouvidos e feche a boca. Fale o mínimo !

Tenha as suas propostas, mas guarde-as no seu íntimo. Exponha as suas idéias de acordo com o interesse e receptividade. Não aborreça as pessoas tentando convertê-las à sua visão de mundo.

Renato Russo expressou muito bem: às vezes o que eu vejo quase ninguém vê, mas quero o mesmo que você ...sei que às vezes uso palavras repetidas, mas quais são as palavras que nunca são ditas?...

Perdemos a nossa capacidade de comunicação devido à falta de sinceridade e os políticos são famosos por suas promessas vazias.

Por causa disto muitos eleitores anularão o voto ou nem mesmo sairão de casa para votar.

Porém você poderá conquistar muitos votos. O mais importante, na minha modesta opinião, é sabermos que estes votos virão não por sermos considerados os melhores, mas sim porque somos apenas um dos inscritos. Humildade faz muito bem pra cabeça, não deixa ninguém surtar !

Nesta 4° semana o Partido já lhe enviou a primeira (e talvez a única) remessa de santinhos. Então multiplique a sua capacidade de comunicação.

Alegoria


Como o meu apelido é BURRO desenvolvi a minha alegoria dentro deste campo de idéias.

Além da característica cabeça de Burro, nesta fase comecei carregar no lombo a carga tributária. Eram várias caixas de papelão unidas por uma canga. Cada caixa trazia a sigla de um imposto. O mais divertido era que com as caixas penduradas triplicava-se a minha largura, o que causava incômodo para quem andava nas calçadas do centro da cidade.

Muitas pessoas reclamavam e outros riam a valer.

As caixas também serviam para levar os santinhos. Prático, não?




Inté o nosso próximo dedinho de prosa !



Hy Ho !

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O Leve é pra levar





Método Burro 3° Semana

1° fase Laranja



Gil cantava “Meu caminho pelo mundo eu mesmo faço ...a Bahia já me deu régua e compasso”

E o Jardim Jacinto, bairro em que eu moro desde que nasci e tive a honra de presidir a Sociedade Amigos de Bairro, me deu o Tao do Jacinto cuja primeira afirmação é “ O Peso é pra pesar e o Leve é pra levar”.

Neste momento já está claro uma parte essencial do cenário como o quociente eleitoral, quantidade de eleitores mulheres, homens e os que não sabem informar o sexo e quais são os candidatos, como são as coligações e quais candidatos a prefeito eles apóiam.

Identifique os extremos geográficos da cidade, as linhas de circular que fazem a ligação entre eles e quais feiras livres estão entre eles e a região central.

Passadas 2 semanas de campanha, surgem alguns colaboradores que nos dão idéias e assumem compromissos leves (isto é, muito muito leves) e bastante originais. Para não enlouquecermos com a ansiedade é fundamental nos convertermos à homeopatia.

Um amigo muito gente-boa fez uma gravação caseira do nosso jingle e outro mais gente-boa ainda o colocou como toque de celular. Parece pouco, mas é um copo d’água no deserto. Sou muito grato !

Nos brianstormings informais somos presenteados com ideias maravilhosas do tipo: manda imprimir rolos de papel higiênico como santinhos (fantástico, mas podemos ser impugnados por distribuição de brindes). Porém, a ideia mais simples também foi a mais fácil e mais viável: atender aos telefonemas dizendo o seu nome e número. Divertido e surpreendente é o riso dos profissionais de telemarketing. Confirma-se o ditado “chumbo trocado não dói”.

O orkut funciona muito bem, mas com o cuidado de sermos sutis. Sem pedir votos e sem divulgar o número basta se fazer lembrado atualizando vídeos favoritos.

Disciplina: reservem espaço na agenda de vocês para o descanso.



Inté o nosso próximo dedinho de prosa !



Hy Ho !