quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

DIÁRIO DE BORDO VIII

Às 8:45, quando cheguei, minha tia Neusa e minha madrinha, Glória, já me esperavam. Foram notificadas pela Prefeitura por causa de não haver fossas sépticas em suas residências. No Jardim Paulistano, onde elas moram, é uma faixa intermediária entre a zona urbana e a zona rural. Os efluentes são lançados indevidamente em uma valeta, porém a discussão é que seria melhor fazer uma fossa coletiva ao invés de fazer uma para cada casa. Assim ficaria mais fácil a coleta por parte da Prefeitura e incomodaria menos os moradores. Outro tema discutido foi o deswcaso com que a Prefeitur atrata os assuntos deste local por considerar como área clandestina. Isto revolta porque é difícil aceitar o fato quando lhe é cobrado o IPTU. Vamos trabalhar com a questão, intermediando a conversa para evitar a multa e construir a fossa coletiva. No mais, a tia Neusa disponibilizou a charrretinha para o Bloco do Burro e minha madrinha vai todos os netos ao Matinê do Jacinto.
Outro problema da mesma região foi trazido pela Célia, esposa do nosso amigo Agnaldo. Ela veio acompanhada da Camila, irmã do Raico, o artista plástico que desenvolveu a estatueta do Corvo de Gesso. Elas pedem providências para acabar com os acidentes frequentes e perigosos da Av. São João. Ocorreram algumas mortes e muitos foram feridos gravemente. Começamos estudar o caso e a primeira medida será pedir para a Prefeitura o número de veículos que passam pela avenida diariamente. Para quem vai do Centro aos bairros São Luís, Esperança, Nova Esperança, Nova Jacareí, Imperial, Tanquinho, Igarapés, 1° de Maio, 22 de Abril, Alvorada, Parateí e à cidade de São Paulo, não tem alternativa. É obrigatório passar por este gargalo.
Distribuí os princípios fundamentais da Constituição Brasileira de 1988 para os membros do gabinete. Eles serão a nossa política de qualidade.

Pela tarde panfletamos o Jardim Jacinto com o convite para o Especila Elis.
José Roberto troxe a preocupação com as calçadas da Av. Malek Assad. Fomos até lá e constatamos muitas precariedades, desde a falta de padronização da largura das calçadas como vários galhos de árvore que obstruem a passagem dos pedestres, obrigando-os a transitarem pela pista. Outras observação deste trabalhosde campo foi a condição do sistema de drenagem. Não há tubulação e o crescimento imobiliário está impermeabilizará as margens da avenida, que é importante saída dos motorista do centro de Jacareí com destino a São José.
Visitamos também o Parque Santo Antônio para verificar o da figueira que foi arrancada sem uma boa justificativa há mais ou menos 2 anos.
Renato, filho da queridíssima Beth Togni, explicou o seu projeto no Jardim das Indústrias com o Esporte Clube Fênix, um time de adolescentes que está dando muita alegria para a SAB do bairro. Queixa-se da falta de bebedouro na quadra e da não reposição dos chuveiros roubados. Disse que a arquibancada possui capacidade para 500 pessoas. Chegamos a conclusão de que é um espaço pouco aproveitado, ali poderia ter mando de jogo.
Enfim, depois de quase 2 semanas, a nossa amigona Bianca - fillha do Joaquim - veio com a mãe nos visitar e disse que está muito feliz porque o seu pai está trabalhando conosco.
Vini, fez um pouco de hora aqui antes de ir para a reunião do Cineclube e me contou que o Veloso riu por 10 minutos depois de me telefonar e eu o atender com o tradicional zurro.

Hy Ho!

Nenhum comentário: