terça-feira, 13 de janeiro de 2009

DIÁRIO DE BORDO VII

O dia começou com Franco, motorista da Câmara, nos apelidando de insulina. Ele precisava aplicá-la 5 vezes ao dia e afirma que depois da chegada da nossa equipe precisa de apenas 2 aplicações. A explicação é que a nossa presença é terapêutica. Diz que mudamos o ar local.
Ao editar o vídeo sobre os problemas das ruas do Jardim Jacinto, me dei conta do tempo que ficamos por lá. Tínhamos 40 minutos de material bruto, o qual, com o suor do Fabinho da TV Câmara, reduzimos para 4 minutos para melhor ser usado na tribuna no horário dos temas livres.
Jussara do Rio Comprido passou por aqui e iniciou a explicação sobre a regularização do bairro. Ela pagou o lote, mas não ainda não recebeu a escritura. Precisaremos de várias palestras porque o assunto vai longe.
Minha prima Ana, que trabalha na prefeitura de uma cidade do Canadá, responde felicíssima o e-mail. Parabeniza-me pela vitória e cita o exemplo dos políticos canadenses. Vibra por eu me assemelhar com eles, isto é, com o desejo de servir a cidade com toda dedicação.
O grande amigo Fred Baccaro apareceu com o filhote Felipe e levaram algumas petequinhas da sorte. Falamos sobre Foulcault, mais um assunto para várias palestras.
Eu e Joaquim fomos ao Maria Amélia. Os moradores precisam de muitas benfeitorias. Os pontos de ônibus estão abandonados, porém começaremos por indicar iluminação e bebedouro para o campinho de futebol. O burromóvel quase não subiu um dos morrinhos. Os moradores gostaram da visita e se mostraram animados para formar a sociedade de amigos de bairro.


Hy Ho!

Um comentário:

CARLOS FREDERICO DE LATORRE BACCARO disse...

Grande Dom, obrigado pela citação!!!!!!!