quinta-feira, 27 de setembro de 2007

O ALICATE DA MANICURE

PARTIDOS, PROJETOS E IDEOLOGIAS

É BOM A GENTE DISTINGUIR ALGUMAS COISAS.

Partidos são instrumentos que podem ampliar uma natural habilidade.
Os instrumentos nascem de projetos e permitem que tantos outros projetos se consolidem.
Mas tudo depende de uma CULTURA de cumprir compromissos.

As contendas ideológicas inviabilizam alguns projetos apenas por uma questão de território.
Ainda mais quando promovem um fanatismo.
O Socialismo poderia contribuir muito se expressasse em ações e entendimentos o que propaga. Mas ao que parece, o Socialismo sobrevive mais como uma religião de ateus.Uma total incoerência, visto que a religião é condenada pelos socialistas por ser o ópio do povo e é indiscutível o grau de entorpecimento e alienação em que eu vejo imersos tantos "revolucionários". Com discursos antiquados contra um imperialismo cujo único defeito é não ser implantado por eles.

Sou socialista e acredito que não será com chantagens sociais que a luta conquistará algo de bom.

Marx precisa ser lido e não pregado aos pedaços em citações de última hora, assim como outros autores.
Marx é um profundo pensador e um alicerce para muitos, mas é deprimente vê-lo distorcido pelos doutores da lei como foi o Evangelho...
Como dizia Lucaks em História e Lutas de Classes " Ser marxista é usar as ferramentas de Marx e não chegar às mesmas conclusões que Marx chegou".
O "aqui" e o "agora", pilares do pensamento dialético, são diferentes!
Óbvio? Eu sei ! Mas a única "revolução" possível é a Revolução do Óbvio.

O conforto em que nós estamos inseridos não permite mais que ecoemos aquelas velhas palavras de ordem. E o tempo livre que Marx previa, pelo avanço da maquinaria, está aí e não sabemos usufrui-lo, aliás, até nos adoece com uma sensação de inutilidade.

Quem está inserido no conforto é burguês? Claro que é ! e quem mais fala de Marx se não os burgueses ? Tá bom, o proletariado analfabeto, repete como papagaio um autor que nem quem sabe ler lê.

É triste, mas percebo que temos pouca vocação para o Socialismo.
As praças, quem as usa ?
As escolas, quem as defende da falta de eficiência ?
E os hospitais públicos ?
Pelo contrário, desprezamos tudo o que é público ao invés de consolidá-lo !

Quem tem condições patrocina o privado;
Quem tem disposição, pelo terceiro setor, quer provar a ineficiência do público;
Quem precisa, por não ter por onde correr, exclama " tá ruim, mas tá bom !"

Por falta de habilidade, a manicure machuca os dedos...os dedos da mão do povo.

A inocente e alienada manicure torna-se um monstro ao não saber manusear seu delicado alicate (notório e sofisticadíssimo instrumento de tortura).
Como poucos são ambidestros e por isso não autosuficientes, ficam os canhotos reféns dos destros e os destros reféns dos canhotos e, claro, é esssencial que o mercado preencha o vazio de onde não há solidariedade.
Capital é liberdade ! Usa-se o dinheiro para não se dever favores.
A propriedade privada, privacidade! Solução contra a promiscuidade.
A relação senhores e escravos não vem do Capitalismo e sim da babaquice humana.
Poucos sabem fazer algo em favor de alguém sem o interesse de aprisioná-lo.
Poucos se contentam em conhecer a intimidade do outro sem importuná-lo, sem querer gerenciá-lo.
Embora seja prescrita a higiene no salão, a manicure ainda não o faz;
Embora desenvolva-se produtos para auxiliá-la, a manicure ainda não os usa;
Embora haja as queixas dos clientes, a descomprometida manicure finge-se de surda.
É bom sabermos com quem deixaremos o alicate. A partir daí teremos excelência no salão e os melhores produtos à nossa disposição.
Partidos,Projetos e Ideologias se misturam promiscuamente, isto é, se confundem de maneira desastrosa.
Como se vê, tudo depende da manicure !
Denúncia, anúncio ou renúncia indicam o prenúncio de algum discernimento.
UTOPIA? ACREDITO QUE NEM TANTO !
Hy Ho !

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

FIDELIDADE

O Brasil é o país da gambiarra mesmo!
Como criar a fidelidade partidária por lei ?
Como obrigar alguém ser fiel?
Uma lei que contraria a essência daquilo que ela propõe!
Ou a pessoa é fiel ou não é ! Não se obriga !
Isso me cheira muito mal, muito mal.
Todo partido pode filtrar os novos filiados e as convenções deveriam determinar como candidatos as pessoas mais devotadas ao partido.
Todo partido tem condições e recursos para promover os seus quadros em diversas ocasiões na sociedade.
Mas não é isso o que acontece ! A maioria dos partidos são oportunistas e reúnem-se apenas às vésperas das eleições e para ganhar as eleições indicam como candidatos as pessoas de maior popularidade sem dar a mínima se tais pessoas têm ou não afinidade com a linha política a que o partido representa.
Depois de passadas as eleições tais pessoas vão para melhor lhes aprouver. Claro ! São mercenárias ! E a guerra só foi ganha por elas estarem entre os guerreiros. Certo elas porque o mérito foi, desde o início, delas. Elas foram convidadas devido às suas chances de vitória.
Coeficiente eleitoral é importante? É sim ! Já foi pensado para inibir este tipo de atitude, mas o deturpamos porque alguém leva vantagem nesta distorção...
Se quando éramos "imaturos politicamente" não se exigia fidelidade por que que agora que "aprendemos votar " estão propondo algo tão ultrajante?
Suspeito que seja para, exclusivamente, evitarem as dissidências de um elaboradíssimo projeto de Poder.
A pressão da sociedade está cada vez maior devido ao farto acesso à informação. As mutretas estão às caras e são uma afrinta à nossa inteligência.
Com a "Fidaelidade" fica o Político escravo do Partido, aliás, dos Tubarões do Partido.
NA URNA É MUITO TARDE
Pelo pequeno número de filiados, ainda temos vários partidos com DONO.
A Democracia é o diálogo entre as Instituições, sendo assim, jamais haverá, de fato, Democracia no País se as Instituições responsáveis para promovê-la, isto é, os Partidos, forem frágeis.
Nas urnas não temos opções porque chegamos tarde no Processo.
Não filtramos as excelências de cada grupo nas convenções internas.
Precisamos assumir o Destino do País desde o início, participando dos Partidos e de suas decisões.
Quanto mais filiados tiver um Partido mais difícil será a barganha de candidaturas, mais difícil a condição de legenda de aluguel.
A Fidelidade nascerá destes expedientes e não de uma obrigação.
A Liberdade é a essência de uma Sociedade Saudável.
Para o bem de todos precisamos erradicar todos os meios de opressão.
Hy Ho!

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

ESCOLAS ABERTAS

Escolas para quê?
Ainda mais fechadas ?

Se todo comércio funciona de portas abertas, por que não a Escola?

Se todo lugar público deve ser de livre acesso, por que não a Escola?

Vocês estão me acompanhando?

Uma pessoa não pode ter a Escola como opção de passeio?

Não falo do Programa Escola da Família, falo de livre acesso todo dia a toda hora!

Aulas em Auditórios e tarefas específicas para os matriculados com formação espontânea e orientada por pré-requisitos diversificados e plurais.

Os Cursinhos não são o Lugar da Aula Show?
Com Professores dando cambalhotas e cuspindo fogo?

Então, por que não nos dão o direito de pagar na saída ao passarem o chapéu?

É um CRIME ALIENAR OS NOSSOS RECURSOS COM AÇÕES SEM RESULTADOS !

E O TAL LEMA " SATISFAÇÃO GARANTIDA OU O MEU DINHEIRO DE VOLTA"?


Do panorâmico para o específico, com orientação vocacional!

AS CRIANÇAS,OS JOVENS? VÃO AMAR!

JÁ SEI ,NÃO É ESTE O PROPÓSITO...

Medo de bandidos?
Dentro ou fora das Escolas, dos Comércios, das Igrejas, dos Parques, das Nossas Casas, como evitá-los ?

Carros blindados,condomínios de segurança máxima... Já sabemos o quanto somos vulneráveis!

Medo é Servidão, apenas isso !

A clausura favorece o embotamento do cérebro.

Hy Ho!

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

A SERVIÇO DA SITUAÇÃO

"Quem quer manter a ordem?
Quem quer criar desordem?"

É preciso que a Oposição pare de chorar de desilusão e comece a se organizar porque uma Oposição desorganizada trabalha em dobro a favor da Situação.
Primeiro porque não consegue debilitar a Situação e segundo porque ridiculariza toda resistência.
Aos que esperam a Ditadura se instalar para lutar, um recado: quem for incapaz de perceber o Estado de Sítio no qual vivemos será incapaz de lutar.
Antes de enfrentarmos combates cinematográficos contra os tanques de guerra na Praça da Paz Celestial, aquele papo-furado de ver a Cavalaria se espatifando com as bolinhas de gude, blibliblibloblobló, precisamos manter o Senado.
É preciso também evitar a Lista Fechada nas Eleições para a Câmara dos Deputados (Todo nome precisa vir a Júri Popular). Atualmente o VOTO LEGENDA já cumpri este papel, o de sobrepor o projeto partidário ao nome de alguém. Lista fechada é cartel.
É preciso que os Deputados façam a Constituinte quando esta for necessária, mas não deixar que ela seja feita por um grupo de amiguinhos do Presidente da República.
É preciso refletir que não é com descaso que iremos punir os políticos e muito menos participando em uma ONG que iremos resolver os problemas da Sociedade.
Se ao menos fossem ONGS, na verdade, a maioria já descambou para Clubes de Serviços disfarçados, agindo pior do que os políticos que eles condenam, porque utilizam a mesma chantagem social como meio de vida.
Nós somos o Estado, isto é, quase 200 milhões de pessoas. E estamos esperando GODOT!
Vamos parar com esta história conspiratória de Estado Opressor, as tais "forças ocultas"do Jânio, o que existe é um povinho relapso consigo,com a Nação, com o Planeta.
Um Deputado só será menor do que um Professor quando um Professor valer o feijão que come... (Toquei neste assunto porque recebi uma corrente de um grupo bem intencionado incitando a população a trocar um Deputado por 344 Professores devido a discrepância de salários. Ora a Lei é de quem Legisla e o Direito de quem o Reclama. Creio que um Deputado ruim seja menos nocivo do que 344 parasitas e que para removê-los depois de instalados,de fato, será muito mais difícil).
Dizem que um Professor ganha pouco...até que... para alguém que não trabalha...um Professor ganha muito.
O que fizemos com a Educação?
Não, não confundamos Educação com Professor...se há alguma contradição não fui eu que criei.
Hoje a pessoa mais nociva à Educação é o próprio Professor.
Há os que não sabem nada, mas estes não são os piores!
Há os que sabem muito... Estes, depois que o nosso amigo Chico Toucinho, isto é, Francis Bacon, disse que "conhecimento é poder" piraram na batatinha. Inventaram o Vestibular.
Vestibular para ingressar na UNIESQUINA.
Dane-se como se escreve Muçarela... se sentimos superior por isso, faço um apelo: rasguemos os nossos Diplomas Unideficitários.
Precisamos agir, colocar o Bloco na rua, jogar peteca nas praças.
Vamos parar de dizer que um livro vale mais do que uma bola assim como um tijolo vale menos do que um pão.
Donos de ONGS e Donos de Movimentos Sociais,(sim, porque sindicatos,associação de bairros, cursinhos populares, time de futebol de botão... todos estes redutos têm a sua oligarquiazinha) por favor,amem os Políticos, se não, ao menos, candidatem-se.
Amar os Políticos nos compromete a corrigi-los;
Amar os Políticos é amar o Povo como um Todo representado por eles;
Amar os Políticos é encarar o País olho no olho;
Odiá-los...justifica o nosso gesto heróico de cruzar os braços...
É exatamente o que um possível grupinho conspiratório deseja para se manter no Poder.
Odiar os Políticos é abandonar o Brasil!

Hy Ho !

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

ESTÉTICA DO SOFRIMENTO

A cada dia que passa me convenço de que as pessoas admiram mais o sofrimento do que o resultado. E o sorriso, se tiver, deverá ser depois de um vale de lágrimas.
Há algo de glorioso na derrota ou na vitória com dor.
Sim há, porque com a derrota, junta-se a lei do menor esforço com a mesquinhez da inveja.
Explico: É muito mais difícil liderar uma obra do que carregar as pedras.
Quem carrega pedras carrega um peso visível ( por isso aplaudido) e quem lidera carrega o invisível ( por isso hostilizado). Porque a hostilidade é a vingança dos invejosos.
Para carregar o visível basta força e para o invisível exige-se coragem e esta poucos têm.
Coragem para se comprometer consigo mesmo e com os projetos, isto é, coragem na origem da palavra: agir com o coração.
Coragem de contrariar, como dizia Torquato Neto, o coro dos contentes; não por sadomasoquismo, mas para ir além, crescer, expandir.
Quem lidera é abandonado sempre enquanto que quem carrega pedras tem um pretexto para se distrair com a cachaça, para surrar a esposa ou ignorar os filhos.
Os mesmos filhos que ele arrumou para justificar a servidão num trabalho medíocre, a mesma esposa que ele arrumou para não ter despesa com faxineiras, a mesma cachaça que ele bebe para culpar o Estado do qual ele não participa por pura falta de coragem!
Para liderar é exigido qualificação.
É primordial romper com a ignorância.
É preciso ler livros proibidos, pensar coisas não permitidas e conhecer o horrível.
Concordo que seja mais higiênico ter um empreguinho do que catar latas por aí.
Eu sei que todos pretendem o conforto, mas o querem por um alto preço.
O preço da servidão de si e de muitos.
Para alimentar a Indústria do Alívio, se possível, IMEDIATO.
E dada a nossa propensão à BELEZA é importante que o Sofrimento seja Belo.
Quanta tolice ao propor a Purificação da Alma com o Fragelo do Corpo!
Um Corpo Desfigurado é a consequência de uma Alma Desfigurada.
Quando a Indústria do Alívio não supre as suas necessidades lança-se mão da Indústria de Próteses tanto de Corpos quanto de Almas.
Tudo para nos distrair, para nos confundir e evitar que lutemos pela LIBERDADE.
Visto que Estética é a expressão do Autêntico, entendo que a nossa maior Vocação é o Fracasso por aceitar a Glória na Servidão.
Hy Ho !

MULA LISA


NO FUNDO DO POÇO

Um dia, o burro de um camponês caiu num poço.

Não chegou a se ferir, mas não podia sair dali por conta própria. Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o camponês pensava no que fazer. Finalmente, o camponês tomou uma decisão cruel:concluiu que já que o burro estava muito velho e que o poço estava mesmo seco,precisaria ser tapado de alguma forma.
Portanto, não valia a pena se esforçar para tirar o burro de dentro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá- lo a enterrar vivo o burro. Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço.
O burro não tardou a se dar conta do que estavam fazendo com ele e chorou desesperadamente. Porém, para surpresa de todos, o burro aquietou-se depois de umas quantas pás de terra que levou. O camponês finalmente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu.
A cada pá de terra que caía sobre suas costas o burro a sacudia, dando um passo sobre esta mesma terra que caía ao chão. Assim, em pouco tempo, todos viram como o burro conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando.

Hy Ho !

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

A LENDA DO VINHO

PÁSSARO, LEÃO E BURRO

Conta uma lenda que Baco, o deus do vinho - também conhecido por Dionísios - encontrou certo dia uma planta muito delicada e pequenina. Como ela era ainda muito nova e frágil, para protege-la, colocou-a dentro de um osso de pássaro. Porém, como a planta começou a crescer e o osso ficara pequeno, colocou-a em um osso maior, dessa vez de leão. Continuando a crescer, a planta necessitava de um lugar ainda maior. Baco colocou-a dentro de um osso de burro.

Adulta, a planta deu frutos, as uvas Sua contínua dedicação àquela experiência, conduziu-o à descoberta do modo de transformar uvas em um licor delicioso. Foi aí que nasceu o vinho, com a qualidade dos seres que haviam participado de seu desenvolvimento, o pássaro, o leão, o burro, que correspondem à ALEGRIA, FORÇA E ESTUPIDEZ .

A partir daí, o uso do vinho ficou condicionado à seguinte norma grega da arte de beber (meden agán) ou seja (nada de excessos). Aqueles que bebem vinho, adquirem as duas primeiras qualidades: - desfrutam momentaneamente de uma ALEGRIA DE PÁSSARO e de uma AUDÁCIA DE LEÃO. Para aqueles que excedem, fraqueza e embrutecimento os esperam. Tornam-se BURROS de duas patas, infinitamente mais inúteis e estúpidos que os de quatro. Embora esta lenda seja de origem grega, povos da Índia, do Egito e da Espanha já conheciam o vinho desde os tempos remotos.

Hy Ho!

PLANO DIRETOR DO JARDIM JACINTO

A CIDADE IDEAL - OS SALTIMBANCOS

A cidade ideal dum cachorro
Tem um poste por metro quadrado
Não tem carro, não corro, não morro
E também nunca fico apertado

A cidade ideal da galinha
Tem as ruas cheias de minhoca
A barriga fica tão quentinha
Que transforma o milho em pipoca

Atenção porque nesta cidade
Corre-se a toda velocidade
E atenção que o negócio está perto
Restaurante assando galeto

Mas não, mas não
O sonho é meu e eu sonho que
Deve ter alamedas verdes
A cidade dos meus amores
E, quem dera, os moradores
E o prefeito e os varredores
Fossem somente crianças

Deve ter alamedas verdes
A cidade dos meus amores
E, quem dera, os moradores
E o prefeito e os varredores
E os pintores e os vendedores
Fossem somente crianças

A cidade ideal de uma gata
É um prato de tripa fresquinha
Tem sardinha num bonde de lata
Tem alcatra no final da linha

Jumento é velho, velho e sabido
E por isso já está prevenido
A cidade é uma estranha senhora
Que hoje sorri e amanhã te devora

Atenção que o jumento é sabido
É melhor ficar bem prevenido
E olha, gata, que a tua pelica
Vai virar uma bela cuíca

Mas não, mas não
O sonho é meu e eu sonho que
Deve ter alamedas verdes
A cidade dos meus amores
E, quem dera, os moradores
E o prefeito e os varredores
Fossem somente crianças

Deve ter alamedas verdes
A cidade dos meus amores
E, quem dera, os moradores
E o prefeito e os varredores
E os pintores e os vendedores
As senhoras e os senhores
E os guardas e os inspetores
Fossem somente crianças

O JARDIM JACINTO É UM BAIRRO RICO !

Queridos Vizinhos Jacintenses,


O JARDIM JACINTO É UM BAIRRO RICO !



Muitos devem se perguntar como eu cheguei a esta conclusão.

É simples. Com algumas noções básicas de Economia e de Política.

Ao longo da História, a Humanidade veio aperfeiçoando as maneiras de suprir as suas necessidades essenciais, a saber: de alimento, de abrigo e de afeto.

Com a nossa inteligência, ao acumular experiências, ao trocá-las e ao observar tudo que acontece ao nosso redor, conseguimos facilitar o acesso a tudo que nos é necessário.

DA COLETA À COLHEITA


No início, bem lá atrás, estávamos totalmente à mercê da Natureza.

Por isso viajávamos procurando frutos e caças. Parece que não, mas a nossa vontade irressistível de viajar, de conhecermos novos lugares e a sensação de que vamos encontrar o pote de ouro no fim do arco-íris é, de certa forma,uma saudade inconsciente daqueles velhos tempos. Eram os tempos da coleta.

Com o longo inverno - sem condições de caça e de coleta- surgiu um novo desafio: de armazenar os alimentos, bom, creio que o de fazer dieta também. Como dizia o sábio Salomão " não há nada de novo debaixo do sol".

Ao percebermos que muitas coisas se repetiam, por exemplo, os ciclos da Natureza, nasceram as noções de Passado e de Futuro.

Com desejo de superar o Futuro com menos esforço deu-se origem à valorização do Presente. O trabalho de viajar para coletar, correndo o risco de nada encontrar, foi substituído pelo o de plantar. Assim nasceu a Agricultura e passamos a administrar a quantidade de frutos disponíveis.

Uma decisão ( e toda decisão é política) que facilitou a nossa vida. Assim, também, nós nos plantamos num determinado lugar.

Os mesmos instrumentos que perfuravam as caças foram mais eficazes na maciez da terra. Para aumentar o plantio foi inevitável derrubar as florestas - novas necessidades resultaram em novos instrumentos - e a nossa inteligência se transformou em tecnologia.

Com mais tempo livre, mais pudemos nos dedicar na imaginação de facilitar o nosso trabalho.


ENTRE A COLETA E A COLHEITA


Ir ou ficar - é a decisão mais difícil de tomar.

Tudo implica na existência de políticas para a fixação ou não das pessoas.

O mais importante é termos condições para avaliarmos onde pode ser melhor apreciado o nosso talento, aqui ou em qualquer outro lugar.

Estar em outro lugar por opção é muito melhor do que por falta de opção. Mas lá, seja onde for, é tão difícil quanto aqui ! Basta observamos que o que pretendemos coletar em algum lugar foi plantado por alguém, e é, de fato, a colheita de alguém. Quem sabe se valorizar não irá dispor do que construiu de graça.


O PRESENTE E O FUTURO NOS PERTENCEM.


A nossa amiga Tecnologia está, cada vez mais, nos tirando das fábricas e dos escritórios e nos guiando para outros empregos. Os setores que mais crescem é o de SERVIÇOS e de TURISMO.

A maior riqueza do Jardim Jacinto é a sua tranquilidade e ótima localização - uma área nobre - a alguns minutos do centro de Jacareí e de São José dos Campos.

As imobiliárias sabem muito bem disto e nós também precisamos saber.

Jacareí é uma cidade com 200.000 habitantes sem opções de lazer ou de aquisição espontânea de conhecimentos.

Com a grande facilidade que o Jardim Jacinto possui de acesso tanto para motoristas quanto para pedestres, se nos tornarmos um pólo Cultural da Cidade, teremos muitos rendimentos e oportunidades de negócios.

A onda do "Progresso" está aí, dita inevitável, cabe a nós decidirmos se morreremos afogados por ela ou "surfaremos" nela.

A primeira coisa é acreditarmos que o Jardim Jacinto pode ser para Jacareí tal como a Vila Madalena é para São Paulo ou o que Santa Teresa é para o Rio de Janeiro.

A matéria-prima do Turismo é a harmonização daquelas necessidades essenciais das quais falamos no começo de nossa conversa : uma comida deliciosa, um abrigo agradável e uma recepção calorosa - tudo o que podemos oferecer. Uma tarde no Jardim Jacinto, em meio a alguns eventos interessantes, pode ser inesquecível.

Mas uma coisa poderá arruinar tudo isto !

De solo frágil, o nossso bairro não suportará o impacto do trânsito e os recursos que poderíamos investir estarão condenados a consertar trincas e por desgosto acabaremos vendendo as nossas casas por um preço vil.

Se continuarmos proprietários no Jardim Jacinto teremos rendimentos e até compraremos o tão sonhado sítio em Minas, portanto aproveitemos as condições que temos para valorizar o que é nosso.

Toda hora é hora de decidir.

Há decisões para o bem de todos, isto é Política !

Vocês vão abrir mão desta riqueza ?
Hy Ho!

LIVROTECA SACI

Queridos Vizinhos Jacintenses,


É com muita alegria que comemoramos o 1° aniversário da LIVROTECA SACI.
Desde Agosto de 2006 já distribuimos 80 livros e agradecemos a receptividade de todos.

É com muito carinho que manifestamos os nossos agradecimentos aos doadores, que possibilitaram a realização do projeto. Sem o entusiasmo de vocês nada se concretizaria.

CONFIAR NAS CRIANÇAS

Confiar nas crianças foi o espírito do projeto desde o início e um aprendizado para todos os envolvidos.
As crianças não vão rasgar, riscar,danificar os livros ? Claro que não !
Eles vão ler ? Claro que sim !
Tem prazo de entrega ? Multa por atraso ? Claro que não !
Elas circularão os livros ? Claro que sim !
Vocês confiam mesmo nas crianças ? Sim, sim, salabim,bim,bim !

BRINQUEDO

A brincadeira é a alma do projeto.
Alimentamos a distribuição sempre nas Sextas-feiras de Lua Cheia à Meia-Noite.
E todos que participam se divertem.
É uma verdadeira comunhão preparar os capuzes,registrar os livros que serão entregues, o passeio pelo Jardim Jacinto e prosa, às vezes cantoria, depois da distribuição.

VALORIZAÇÃO DA NOSSA CULTURA

O SACI-PERERÊ é um ser da floresta, uma tradição dos nossos irmãos indígenas que recebeu o acréscimo da imaginação dos nossos irmãos negros.A falta de uma perna é um registro dos castigos cruéis recebidos pelos escravos.Como é um ser bastante travesso e expressão da liberdade - uma verdadeira criança - foi-lhe dado pelos nossos irmãos europeus o capuz vermelho, que na Roma Antiga era o símbolo dos escravos libertos.

O amiguinho SACI é, por excelência, a expressão das contribuições dos povos que formaram o início do Brasil e do nosso imenso desejo de Liberdade.

Liberdade e Livro são palavras com a mesma origem em Latim, língua-mãe dos idiomas europeus, e significa " a casca solta da árvore ", talvez utilizada muito tempo atrás para anotar alguma coisa. O importante disto tudo é que a Leitura nos faz Livres para imaginarmos um mundo melhor.

Parabéns LIVROTECA SACI.
Hy Ho!